segunda-feira, novembro 30, 2015

De efemérides...





"(...) Não sei o que o amanhã trará. Pessoa escreveu esta frase no dia da sua morte, há 80 anos. Palavras de um outro desassossego, o de uma vida cheia de livros, palavras e gente a habitar a cabeça do poeta. (...)" (TSF). 

Pessoa Sempre!..

domingo, novembro 29, 2015

De concertos e suas marcas...









"(...) Há uma voz que irrompe e rasga uma atmosfera expectante. Serpenteia pela sala, eriça os pêlos da nuca, comove e doma os silêncios, a seu bel-prazer. É elástica, tanto intumesce, como se pacifica. Perante uma sala Suggia repleta, Benjamin Clementine ataca o piano e as canções crescem. Descalço, claro. Percebe-se onde quer chegar quando diz que gosta "de sentir os pedais fisicamente, visceralmente", como se instrumento e homem fossem um só. Não o serão já? Quando pára, entre músicas, a sua voz, a tal voz, tacteia num sussurro e revela a real timidez de um prodígio que já não se vê nestes tempos. Lembra Nina Simone e Antony, Tom Waits e Piaf, mas a verdade é que a sua música não cabe em gavetas, prateleiras, caixas e os seus concertos-liturgia são disso prova (...)" (AR in P3)

quarta-feira, novembro 25, 2015

De (muito) aguardados concertos...





Esta noite, na Casa da Música...
Até lá... 

"Chegou o momento de ver Benjamin Clementine em salas portuguesas e testemunhar a relação visceral e de cumplicidade que estabelece com o seu piano, agora num ambiente íntimo. Pianista autodidacta, com um percurso de vida atribulado, Benjamin Clementine cresceu inspirado em figuras como Leonard Cohen. Desde que participou no programa televisivo da BBC2 “Later... with Jools Holland” (2013), tornou-se o artista mais partilhado no Spotify, foi distinguido como Best New Act nos Victoires de la Musique e esgotou espectáculos em toda a Europa e nos EUA. Tocou nas primeiras partes de concertos de artistas como Cat Power, Tune-Yards ou Woodkid, e ainda no Wilderness Festival (com curadoria de Björk) e no Meltdown Festival (David Byrne)."

Fica Nemesis (ao vivo)









domingo, novembro 22, 2015

De (justíssimo) reconhecimento...






"British pianist-songwriter Benjamin Clementine was named the overall winner on Friday of Britain's Mercury Prize for popular music for his debut album "At Least for Now".
(Reuters)

De um disco soberbo, fica uma (das) pérola(s)...

domingo, novembro 15, 2015

Leituras do momento...





"Este romance de Laxness, prémio Nobel de literatura, tem lugar na Islândia, no início do século XX, numa sociedade de servidão e num país com uma natureza inclemente. É a saga de Bjartur, um homem obstinado, inquebrável e inesquecível.
Bjartur vive no limiar da auto-suficiência contando apenas com a sua obstinação e força interior, rejeitando qualquer caridade em nome da independência, valor levado ao extremo das suas consequências. Vive num vale com reputação de assombrado, só confia no seu rebanho, no seu cão e no seu cavalo. Se alguém toca o seu coração é Ásta, a sua filha, mas tudo muda quando ela o desilude e magoa os seus enraizados princípios de honra...

A determinação de Bjartur e a luta pela independência são genuinamente heróicas. A sua história é épica e ao mesmo tempo trágica e bela, um romance que continua a comover gerações de leitores." 
(in wook. pt) 


quinta-feira, novembro 12, 2015

De teatro...


Esta noite no TMB - Teatro Municipal de Bragança...
Até lá!.. 





AO LER A CRIADA ZERLINA, DESASSOSSEGOU-ME, NUM PRIMEIRO ASSALTO, A FIGURA DESTA PERSONAGEM SUMAMENTE SEXUAL E DURAMENTE FEMININA, QUE USA A SUA CONDIÇÃO COMO ARMA, DOMINANDO A INTIMIDADE DA FAMÍLIA QUE SERVE. O RELATO DE ZERLINA SOBRE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ERÓTICAS CARREGA REFLEXÕES PROFUNDAS SOBRE OS COMPORTAMENTOS HUMANOS,NO QUE TOCA AO DESEJO, AO PRAZER E AO CARIZ COMPLEXO E VOLÁTIL QUE PODE TER O AMOR. (…)
(…) ESTE TEXTO TEM O SECRETISMO PERVERSO DE UMA CONFISSÃO E ZERLINA DESDOBRA-SE EM DUPLICIDADES, QUE VÃO DAS SUAS DIFERENTES IDADES AOS VÁRIOS PAPÉIS QUE EXPERIMENTA – CRIADA, AMANTE, PERCEPTORA, CRIADORA, ESPIA, INSTIGADORA DE HOMICÍDIO, DE LOUCURA, DE CIÚME E DE VINGANÇA. (…)”

ENCENAÇÃO E INTERPRETAÇÃO: MICAELA CARDOSO
CO-ENCENAÇÃO:JOSÉ ROSEIRA
DRAMATURGIA: FRANCISCO LUÍS PARREIRA

DESENHO DE LUZ: PEDRO VIEIRA DE CARVALHO

domingo, novembro 08, 2015

Leituras do momento...






"(...) Seria aliás interessante, insisto, qua a cabeça de alguém, o seu tamanho medido com uma fita métrica bem exacta, dependesse disso mesmo - da qualidade média dos seus pensamentos. (...) Pela anatomia exterior teríamos de imediato uma percepção da qualidade da vida mental da pessoa com quem nos cruzávamos. Uma espécie de biografia mental explícita. (...)"